Relacionamentos a distância e a formação militar

Fala combatente! Tudo tranquilo com você?? Espero que sim! Hoje vou abordar aqui um pouco sobre os relacionamentos a distância aos quias, muitas vezes, por conta da profissão, os militares e suas companheiras e companheiros são submetidos. Seja por conta da formação, missões, transferências, por períodos mais longos ou mais curtos, o fato é que praticamente todo militar irá, em algum momento da sua vida, conviver em um relacionamento a distância.


Muitos jovens casais, por exemplo, deparam-se com esse tipo de situação quando um dos dois é aprovado em um concurso militar, como o da ESA ou EsPCEX e, por isso, tem que se mudar de sua cidade para seguirem com as suas formações. No caso da formação dos Oficiais, por exemplo, o tempo de formação é de 5 longos anos em regime de internato, onde fica praticamente impossível ao casal manter o mesmo nível de interação que tinha anteriormente. Se a distância entre a cidade natal e a Escola de Formação for pequena, certamente a situação do casal fica mais fácil, pois poderão combinar finais de semana e feriados juntos, onde um dos dois poderá se deslocar e encontrar o outro, porém, quando a distância não é assim tão curta essa questão fica bem mais complicada, devido aos custos envolvidos nessas viagens.


Alguns casais escolhem se mudar conjuntamente para a cidade onde se situa a Escola de Formação, alugando um apartamento para que a companheira possa morar. Porém, algumas coisas devem ser levadas em consideração quanto à isso. Em primeiro lugar, o aluno/cadete irá receber a sua ajuda de custo e esse valor não é assim tão alto. Se a única fonte de renda do casal for essa, possivelmente o dinheiro do militar irá ser destinado praticamente que 100% para pagar as despesas do lar e essa situação pode não ser muito agradável. Outro ponto é que, sobretudo nos primeiros anos de formação, o cadete, no caso da formação dos Oficiais, tem uma rotina extremamente atarefada de atividades, incluindo os finais de semana, onde poderá estar de serviço ou se preparando para um campo, por exemplo. Isso pode ser um pouco frustrante para a companheira que vive na cidade, aguarda o final de semana para estar junto do companheiro e não tem a devida atenção por conta das atividades do companheiro. Além disso, o estresse de uma mudança de cidade para alguém assim tão jovem pode não ser algo muito bom e causar desentendimentos na relação.


Em suma, eu realmente não recomendo que o casal se mude conjuntamente para a cidade de onde se localiza a Escola de Formação, mesmo por que, com as recentes alterações que ocorreram no contexto da reforma da previdência, o militar não pode configurar situação de união estável durante o seu curso de formação, sob pena de ser excluído.


Então, presume-se que o casal terá que aprender a conviver com a distância, não é mesmo? Correto! Faz parte!

Como disse lá em cima, o militar e sua família terão que aprender, cedo ou tarde, a conviver com isso, não tem jeito! Depois de formado, por exemplo, o militar fará cursos e participará de missões onde poderá ficar dias ou até meses longe de casa. Lidar com a distância é realmente algo bem difícil, sobretudo no começo, porém, tem alguns pontos positivos nisso tudo (se o casal aprender a lidar de forma positiva com isso).


Em primeiro lugar, um pouco de saudade é sempre bom! Óbvio que ninguém quer ficar meses longe daquele que ama, porém, a distância muitas vezes vem para solidificar ainda mais uma relação. Lógico que os casais mais novos provavelmente terão bastante dificuldades em entender isso, afinal, nessa fase nós queremos ficar juntos o tempo todo e achamos que o mundo vai acabar se ficarmos sem ver o outro um mês inteiro, não é mesmo? Porém, acredite, o mundo não vai acabar! Além disso, a distância poderá servir para realmente reforçar o comprometimento de um casal no relacionamento, afinal, é bem difícil manter um compromisso à distância se você realmente não estiver interessado nisso.


Este é um assunto bem complexo e também bem subjetivo, onde cada realidade é uma realidade distinta, ou seja, não podemos generalizar nada. O que dá certo para um casal pode não dar certo para o outro! Porém, uma coisa é certa, a principal ferramenta que deve ser utilizada pelo casal para que mantenham um relacionamento à distância é a comunicação! E, felizmente, a tecnologia que existe atualmente só vem a auxiliar isso, afinal, hoje podemos realizar chamadas de vídeo com um custo praticamente irrisório, coisa que era impensável há pouco tempo atrás. Além disso, existem outras facilidades que devem ser utilizadas na vida do casal, como os programas de milhagens, por exemplo, que permitem a compra de passagens aéreas por preços bem menores.


Dá uma olhada no vídeo abaixo, de preferência com a sua namorada/namorado e vejam lá as dicas que trago pra vocês. Manter uma relacionamento à distância pode ser algo realmente assustador no início, porém, com uma boa dose de comprometimento, paciência e maturidade, certamente essa situação poderá ser contornada, afinal, se outros casais já superaram, por que vocês não poderão?


1º Ten Thiago Henrique - CEO Elite Mil


FÉ NA MISSÃO!